Free Essay

Riscos Ocupacionais a Que Estão Sujeitos Os Coletores de Lixo: Com Ênfase Na Importância Do Uso de Epis

In: Social Issues

Submitted By cenobiter
Words 2602
Pages 11
IBPEX - INSTITUTO BRASILEIRO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO

DANIELLE BARBOZA FERNANDES

RISCOS OCUPACIONAIS A QUE ESTÃO SUJEITOS OS COLETORES DE LIXO: COM ÊNFASE NA IMPORTÂNCIA DO USO DE EPIS

CURITIBA 2011

DANIELLE BARBOZA FERNANDES

RISCOS OCUPACIONAIS A QUE ESTÃO SUJEITOS OS COLETORES DE LIXO: COM ÊNFASE NA IMPORTÂNCIA DO USO DE EPIS

Monografia apresentada ao Curso de Enfermagem do Trabalho para obtenção do Título de Especialista em Enfermeiro do Trabalho, no IBPEX – Instituto Brasileiro de PósGraduação e Extensão. Orientador: Prof. Rodrigo Otávio de Faria

CURITIBA 2011

RESUMO

Através de pesquisa bibliográfica, são demonstrados neste trabalho os riscos a que estão sujeitos os trabalhadores da coleta de lixo nas suas atividades, bem como as vantagens da utilização dos Equipamentos de Proteção Individual – EPIs. Concluise que a conscientização de uso destes equipamentos possibilita a diminuição de doenças ocupacionais destes profissionais, beneficiando o próprio coletor e indiretamente a empresa contratante, pois o seu uso adequado diminui a taxa de absenteísmos por acidentes. Palavras-chave: Lixo. EPI. Acidentes. Coletores. Doenças ocupacionais.

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ...........................................................................................................11 1.1 OBJETIVOS ............................................................................................................12 1.1.1 Objetivo Geral ......................................................................................................12 1.1.2 Objetivos Específicos ...........................................................................................13 2 DESENVOLVIMENTO ...............................................................................................14 2.1 O LIXO ....................................................................................................................14 2.1.1 Geração e Destino de Resíduos ..........................................................................14 2 2 O USO DOS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPIs) ...................17 2.3 ACIDENTES RELACIONADOS AOS COLETORES PELA NÃO UTILIZAÇÃO DOS EPIs ......................................................................................................................17 2.4 DOENÇAS OCUPACIONAIS RELACIONADAS ÀS ATIVIDADES DOS COLETORES DE LIXO .................................................................................................18 3 CONSIDERAÇÕES FINAIS .......................................................................................19 REFERÊNCIAS.............................................................................................................20

1 INTRODUÇÃO

Em um passado não muito distante a produção de resíduos era de algumas dezenas de quilos por habitante/ano. Enquanto países altamente industrializados como os Estados Unidos produziam mais de 700kg/habitante/ano, no Brasil, o valor médio verificado nas cidades mais populosas era da ordem de 180kg/habitante/ano (FADINI e FADINI, 2001). A poluição é um problema mundial atualmente, acarretado principalmente pela disposição final dos resíduos sólidos, atingindo grandes e pequenas cidades. Definem-se resíduos sólidos como o conjunto de produtos não aproveitados das atividades humanas (domésticas, comerciais, industriais, de serviços de saúde) ou aqueles gerados pela natureza, como folhas, galhos, terra, areia, que são retirados das ruas e logradouros pela operação de varrição e enviados para os locais de destinação ou tratamento. O lixo é definido como sendo todo e qualquer resíduo proveniente das atividades humanas ou gerado pela natureza em aglomerações urbanas (SANTOS, 2008). O lixo sempre acompanhou a história do homem, porém nunca foi encarado como algo complexo. A partir da Revolução Industrial, com o processo de urbanização e mudança de hábitos de consumo da maioria das pessoas, houve um grande aumento na produção de lixo, até porque com o avanço mundial das indústrias vem produzindo produtos em diferentes quantidade e diversidade (FADINI e FADINI, 2001). Os profissionais encarregados pela coleta de lixo e o seu destino são chamados de coletores de lixo e a equipe é composta pelo motorista do caminhão e mais três coletores. Os riscos mais conhecidos pelos lixeiros são: a) b) c) d) e) f) mecânicos (cortes, ferimentos, atropelamentos, quedas graves); ergonômicos (problemas de coluna, torções, cansaço, dor muscular); biológicos (doenças contagiosas ou não, intoxicação, infecção por tétano); químicos (intoxicação); físicos (virose, insolação, variação de pressão arterial) e psicossociais (falta de treinamento para o serviço).

12

Cada acidente de trabalho do coletor implica no seu afastamento, além da diminuição do salário e aumento de custo para a empresa. Pensando que o serviço de coleta de lixo é em prol do bem para a sociedade, devemos pensar além de tudo, na saúde e no bem-estar desses profissionais, lembrando que os coletores de lixo trabalham sem equipamentos de proteção individual (EPI), arriscando assim suas condições de saúde. Os coletores de lixo constituem uma população particularmente vulnerável aos acidentes fatais e não fatais, conforme se constata em diferentes países. Para evitar alguns dos acidentes é fornecido aos trabalhados de coleta de lixo EPIs adequados para esse tipo de trabalho. Segundo o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), através da Norma Regulamentadora nº 6 (NR6), considera-se Equipamento de Proteção Individual (EPI) todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaça a segurança e a saúde no trabalho (BRASIL, 1978). Segundo estudos, os EPIs necessários para esta atividade são o uniforme, as botas ou calçado de cano comprido, as luvas e o boné (VELLOSO, SANTOS e ANJOS, 1997). Para fazer o uso dos EPIs todos os coletores deveriam receber treinamentos com formas e recursos adequados em procedimento formal, sistemático e em linguagem clara, considerando a baixa escolaridade dos coletores. É importante também a conscientização da população para a correta coleta seletiva do lixo reciclável (vidro, agulhas, latas, madeiras) do restante, evitando assim acidentes como cortes e ferimentos. 1.1 OBJETIVOS

1.1.1 Objetivo Geral

Relacionar os riscos que os coletores de lixo se sujeitam em seu processo de trabalho.

13

1.1.2 Objetivos Específicos

• •

Identificar riscos relacionados à manipulação do lixo. Identificar os problemas relacionados com a falta de EPIs no seu trabalho diário.



Indicar medidas de prevenção existentes.

2 DESENVOLVIMENTO

2.1 O LIXO O lixo é definido como sendo todo e qualquer resíduo proveniente das atividades humanas ou gerado pela natureza em aglomerações urbanas. Segundo Fadini e Fadini (2001), lixo define-se como restos das atividades humanas, considerados pelos geradores como inúteis, indesejáveis ou descartáveis. Normalmente, apresentam-se sob estado sólido, semissólido ou semilíquido (com conteúdo líquido insuficiente para que este líquido possa fluir livremente). Ainda segundo os autores, o lixo sempre acompanhou a história do homem. Na Idade Média acumulava-se pelas ruas e imediações das cidades, provocando sérias epidemias e causando a morte de milhões de pessoas. A partir da Revolução Industrial iniciou-se o processo de urbanização gerando um alto crescimento populacional nas cidades, aumentando o impacto ambiental, devido aos diversos tipos de poluição, dentre eles a poluição gerada pelo lixo. A solução para o lixo naquele momento não foi encarada como algo complexo, já nos dias atuais, com a maioria das pessoas vivendo nas cidades e com o avanço mundial das indústrias provocando mudanças nos hábitos da população, vem-se gerando um lixo diferente em quantidade e diversidade. Para a maioria dos administradores o lixo é encarado como um problema e uma preocupação meramente higiênica. Porém, o problema maior são as medidas paliativas impactantes adotadas, como a de afastar dos olhos e das narinas esse incômodo e apresentar uma falsa solução à população (FADINI e FADINI, 2001). 2.1.1 Geração e Destino de Resíduos Fadini e Fadini (2001) apresentam a identificação das fontes, dos resíduos gerados e os responsáveis pela destinação final sanitariamente adequada da seguinte forma: a) A prefeitura é responsável pela destinação final dos lixos a seguir: • Domiciliar: Aquele originado da vida diária das residências, constituído por restos de alimentos (tais como: cascas de frutas,

15

verduras, etc.), produtos deteriorados, jornais e revistas, garrafas, embalagens em geral, papel higiênico, fraldas descartáveis e uma grande diversidade de outros itens. Contém, ainda, alguns resíduos que podem ser tóxicos. • Comercial: Aquele originado dos diversos estabelecimentos comerciais e de serviços, tais como supermercados, estabelecimentos bancários, lojas, bares, restaurantes etc. O lixo desses estabelecimentos e serviços tem um forte componente de papel, plásticos, embalagens diversas e resíduos de asseio dos funcionários, tais como papel toalha, papel higiênico, etc. • Público: são aqueles originais dos serviços de limpeza pública urbana, incluindo todos os resíduos de varrição das vias públicas, limpeza de praias, de galerias, de córregos e de terrenos, restos de podas de árvores, de limpeza de áreas de feiras livres, constituídos por restos vegetais diversos, embalagens, etc. b) O gerador é responsável pela destinação final dos lixos a seguir: • Serviços de saúde e hospitalar: Constituem resíduos sépticos, ou seja, que contêm ou potencialmente podem conter germes patogênicos. São produzidos em serviços de saúde tais como hospitais, clínicas, laboratórios, farmácias, clínicas veterinárias, postos de saúde, etc. São eles: agulhas, seringas, gaze, bandagens, algodão, órgão e tecidos removidos, meios de cultura e animais usados em testes, com sangue de coagulado, validade luvas descartáveis, remédios prazo vencido,

instrumentos de resina sintética, filmes fotográficos e raios X. Resíduos assépticos desses locais, constituídos por papéis, restos da preparação de alimentos, resíduos de limpeza geral, como pó e cinza. E outros materiais, que não entram em contato direto com pacientes ou com os resíduos sépticos anteriormente descritos, são considerados domiciliares. • Portos, aeroportos, terminais rodoviários e ferroviários:

Constituem resíduos sépticos, ou seja, aqueles que contêm ou

16

potencialmente podem conter germes patogênicos trazidos aos portos, terminais rodoviários e aeroportos. Basicamente, originam-se de material de higiene, asseio pessoal e restos de alimentação que podem veicular doenças provenientes de outras cidades, estados e países. • Industrial: aquele originado nas atividades dos diversos ramos da indústria metalúrgica, química, petroquímica, papeleira, alimentícia, etc. O lixo industrial é bastante variado, podendo ser representado por cinza, Iodo, óleo, resíduos alcalino ou ácidos, plástico, papel, madeira, fibras, borracha, metais, escórias, vidro, cerâmica, etc. Nessa categoria inclui-se a grande maioria do lixo considerado tóxico. • Agrícola: resíduos sólidos das atividades agrícolas e da pecuária, como embalagens de adubos, defensivos agrícolas, ração, restos de colheita, etc. Em várias regiões do mundo, esses resíduos já constituem uma preocupação crescente, destacando-se as enormes quantidades de esterco animal geradas nas fazendas de pecuária intensiva. Também as embalagens de agroquímicos diversos, em geral altamente tóxicos, têm sido alvo de legislação específica, definindo os cuidados na sua destinação final e, por vezes, co-responsabilizando a própria indústria fabricante desses produtos. • Entulho: resíduos da construção civil, como demolições e restos de obras, solos de escavações, etc. O entulho é geralmente um material inerte, passível de reaproveitamento. Dos resíduos citados acima devemos dar maior importância para os domiciliares, comerciais e públicos, pois são os lixos de maior manipulação pelos coletores e com maiores ocorrências de acidentes.

17

2 2 O USO DOS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPIs) Os equipamentos de proteção individual – EPIs têm o seu uso regulamentado, pelo Ministério do Trabalho e Emprego, através da Norma Regulamentadora nº6, da Portaria nº 3.214 de 08 de junho de 1978 (ROLIM et al., 2010). Esta Norma define que equipamento de proteção individual é destinado a proteger a saúde e a integridade física do trabalhador. Esta proteção se concentra para a cabeça, o tronco, os membros superiores e inferiores, à pele e ao aparelho respiratório do indivíduo. O uso de EPIs deve ser comedido, compatibilizando necessidade, eficiência, suficiência e, sobretudo, conforto do usuário. Embora alguns insistam em seu emprego, chegando mesmo a propor o uso de capacete para prevenir danos decorrentes das quedas, essas condições restritivas raramente são observadas. As luvas podem trazer conseqüências adversas, como dermatites, relatadas em diferentes estudos. Cabe lembrar que a Lei brasileira é clara, indicando o EPI como opção essencialmente provisória (CARDOZO et al., 2005). 2.3 ACIDENTES RELACIONADOS AOS COLETORES PELA NÃO UTILIZAÇÃO DOS EPIs Não há como não produzir o lixo, porém é possível diminuir essa produção com a conscientização socioambiental assim como a importância da correta separação do lixo evitando os acidentes com os coletores de lixo. Conforme Santos (2008), alguns dos acidentes mais frequentes entre trabalhadores, que manuseiam diretamente os resíduos municipais, são: a) cortes com vidros - caracterizam o acidente mais comum entre trabalhadores de coleta domiciliar e das esteiras de catação de usinas de reciclagem e compostagem, e também entre os catadores dos vazadouros de lixo; b) c) cortes e perfurações com outros objetos pontiagudos - espinhos, pregos, agulhas de seringas e espetos; queda de veículo - devido à inadequação dos veículos para tal transporte, onde os trabalhadores são transportados dependurados no

18

estribo traseiro, sem nenhuma proteção; e a elevada presença de alcoolismo entre trabalhadores da limpeza urbana; d) atropelamentos - além dos riscos inerentes às atividades, contribuem para o atropelamento a sobrecarga e a velocidade de trabalho a que estão sujeitos os trabalhadores e o pouco respeito que os motoristas em geral têm para os limites e regras estabelecidas para o trânsito; também deve ser lembrada a ausência de uniformes adequados (sapatos resistentes e antiderrapantes e roupas visíveis); e e) outros ferimentos - ferimentos e perdas de membros por prensagem em equipamentos de compactação, mordidas de animais. 2.4 DOENÇAS OCUPACIONAIS RELACIONADAS ÀS ATIVIDADES DOS COLETORES DE LIXO Das doenças ocupacionais relacionadas às atividades com resíduos sólidos, as micoses são comuns, aparecendo frequentemente nas mãos e nos pés, onde as luvas e botas estabelecem condições favoráveis para o desenvolvimento de microorganismos. Os trabalhadores dos sistemas de limpeza urbana estão expostos a poeiras, a ruídos excessivos, ao frio, ao calor, à fumaça e ao monóxido de carbono. A exposição a poeiras orgânicas e microorganismos pode ser causadora de doenças do trato respiratório. Um fator muito importante nas doenças relacionadas é a adoção de posturas forçadas e incômodas, Outro fator é o estresse, como resultado das tensões a que os trabalhadores estão sujeitos: dos longos períodos de transporte, dos problemas de sobrevivência e agravos nutricionais (tanto desnutrição, quanto obesidade), resultantes dos baixos salários e dos desgastes que a carga fisiológica do trabalho pode produzir. Há também índices de doenças coronarianas e hipertensão arterial, apesar de não comprovar uma relação definitiva de causa-efeito (SANTOS, 2008).

3 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Esta revisão de literatura permitiu concluir que os coletores de lixo ficam expostos a vários diferentes tipos de riscos: físicos, químicos, biológicos, mecânicos, ergonômicos e psicossociais, estando expostos a ferimentos, quedas, entorses, atropelamentos, fraturas, infecções, esforço excessivo (não possuem pausas oficializadas para descanso), ruídos, intoxicações, falta de treinamento para o serviço e principalmente acidentes com objetos perfuro-cortantes pelo incorreto armazenamento nos recipientes a serem recolhidos. A conscientização da população devido ao acondicionamento de materiais perfuro-cortantes e a separação correta do lixo também pode ajudar, diminuindo os casos com acidentes. Assim como a conscientização dos coletores de lixo da importância do uso adequado dos EPIs como proteção contra doenças, evitando ferimentos com materiais perfuro-cortantes, não sujar a roupa, não machucar os pés e mãos, se proteger do sol, trabalhando com segurança, evitando faltas e custos com os trabalhadores. A importância de uma melhor remuneração aos trabalhadores colaboraria na solução de alguns problemas, assim teriam melhores condições de vida saudável e digna perante a sociedade. É possível reduzir consideravelmente os níveis de acidentes de trabalho sofridos pelos coletores de lixo com a direta intervenção e iniciativa da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA).

REFERÊNCIAS BRASIL. MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Norma Reguladora nº 6 – Equipamentos de Proteção Individual – EPI. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978. CARDOZO, M. C., LIEBER, R. R., DUTRA, C. A. M., BALESTIERI, J. A. P. Medidas de segurança em veículos para coleta de lixo urbano: condições para manobra em ré. XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção, Porto Alegre, out./nov. 2005. FADINI, P. S.; FADINI, A. A. B. Lixo: desafios e compromissos. Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola, Ed. Especial, maio 2001. ROLIM, R. S.; SOUZA, S. C. de L., ARAGÃO, I. M. de; MONTE, A. F. do; SILVA, M. Z. T. da; CARNEIRO, S. Q.; SOUZA, R. C. de. A percepção dos/as catadores/as de materiais recicláveis a respeito dos equipamentos de proteção individual – EPIs. X Jornada de Ensino, Pesquisa e Extensão – JEPEX 2000, UFPRPE: Recife, out. 2010. SANTOS, I. V. de A. Estudo dos riscos de acidentes de trabalho em coletores de lixo. IV Fórum Ambiental da Alta Paulista, jul. 2008, v. 4. VELLOSO, M. P.; SANTOS, E. M. dos; ANJOS, L. A dos. Processo de trabalho e acidentes de trabalho em coletores de lixo domiciliar na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Públ., Rio de Janeiro, 13(4):693-700, out-dez. 1997.…...

Similar Documents

Free Essay

Projeto Para Tratamento de Resíduos Sólidos Orgânicos E Inorgânicos Para O Município de Rafard

...PROJETO PARA TRATAMENTO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS E INORGÂNICOS PARA O MUNICÍPIO DE RAFARD Projeto elaborado por Octávio Forti Neto – Internacionalista – formado pela Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho – Faculdade de Ciências Humanas e Sociais. Campus Franca. E-mail para contato: octaviofortineto@gmail.com Rafard/SP 2011 Sumário: 1. Introdução ..................................................................................................................3 2. Contextualização do Município de Rafard - São Paulo.............................................4 3. Justificativa.................................................................................................................5 4. Objetivos.....................................................................................................................6 5. Dados iniciais do projeto............................................................................................7 6. Dados específicos sobre os métodos de tratamento ..................................................9 7. Implementação do projeto para tratamento de resíduos orgânicos e inorgânicos.....13 8. Indicadores e formas de avaliação............................................................................16 9. Cronograma de execução..........................................................................................17 10. Orçamento.......................................................

Words: 7148 - Pages: 29

Free Essay

Inovação Enfatizada No Planejamento Estratégico de Ti

...TIAGO VINÍCIUS PAIVA DO CARMO INOVAÇÃO ENFATIZADA NO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TI: ESTUDO DE CASO EM UMA ORGANIZAÇÃO BASEADA EM TI Monografia de graduação apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade Federal de Lavras como parte das exigências do curso de Ciência da Computação para obtenção do título de Bacharel em Ciência da Computação. LAVRAS MINAS GERAIS - BRASIL 2008 TIAGO VINÍCIUS PAIVA DO CARMO INOVAÇÃO ENFATIZADA NO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TI: ESTUDO DE CASO EM UMA ORGANIZAÇÃO BASEADA EM TI Monografia de graduação apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade Federal de Lavras como parte das exigências do curso de Ciência da Computação para obtenção do título de Bacharel em Ciência da Computação. Áreas de Concentração: Sistemas de informação, Administração de Empresas Orientador: Prof.º Paulo Henrique S. Bermejo, M. Eng. LAVRAS MINAS GERAIS - BRASIL 2008 Ficha Catalográfica preparada pela Divisão de Processos Técnico da Biblioteca Central da UFLA Carmo, Tiago Vinícius Paiva do Inovação enfatizada no planejamento estratégico de tecnologia da informação: estudo de caso em uma organização baseada intensamente em tecnologia/ Tiago Vinícius Paiva do Carmo. Lavras – Minas Gerais, 2008. Monografia de Graduação – Universidade Federal de Lavras. Departamento de Ciência da Computação. 1. Inovação. 2. Tecnologia da Informação. I. CARMO, T. V. P. II. Universidade Federal de Lavras. III.......

Words: 19202 - Pages: 77

Free Essay

Gerenciamento de Risco Na Implantacao de Empreendimentos de Real Estate

...MBA em Real Estate GEE 018 – Gerenciamento de risco na Implantacao de empreendimentos de real estate Parte 01 Stakeholders: * Sociedade. * Papel: dar apoio ou não as ações do Governo. * Caracteristicas: ate o momento não tem opinião explicitada * Interesses: preservar o patrimônio historia da sociedade e revitalizar o bairro. * Governo * Papel: ordenar a relacao entre as prefeituras * Caracteristicas: * Interesses: instalação do parque de diversoes * Comerciantes * Papel: prover bens e servicos a sociedade, mediante lucro * Caracteristicas: antigamente instalada no bairro das Merces, foi remanejado para bairro proximo * Interesses: instalar-se no local mais próximo possível de seus clientes * Proprietarios * Papel: prover os terrenos para instalação de empreendimentos * Caracteristicas: insatisfeitos com a desvalorizacao do bairro das merces * Interesses: valorização do bairro * Ordem dos Arquitetos * Papel: fornecer propostas para o concurso de revitalizacao * Caracteristicas: conservacionista * Interesses: a realização do concurso * Albatroz Empreendimentos * Papel: instalar o parque de diversoes * Caracteristicas: empreendedora * Interesses: instalar da forma mais econômica e lucrativa o parque de diversoes * Prefeitura de Brejo largo * Papel: * Caracteristicas: *......

Words: 395 - Pages: 2

Free Essay

Case de Inovaçao

...Manual de Oslo Proposta de Diretrizes para Coleta e Interpretação de Dados sobre Inovação Tecnológica  Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Eduardo Campos Secretário Executivo Luis Manuel Rebelo Fernandes Presidente da FINEP Sergio Machado Rezende Diretores Antônio Cândido Daguer Moreira Michel Chebel Labaki Odilon Antônio Marcuzzo do Canto Coordenação editorial: Palmira Moriconi Tradução: Paulo Garchet Revisão técnica: Worldmagic Revisão ortográfica: Léa Maria Cardoso Alves Projeto gráfico e editoração: Fernando Leite Ilustração da capa: acervo do Arquivo Nacional  Mensuração das Atividades Científicas e Tecnológicas Manual de Oslo Proposta de Diretrizes para Coleta e Interpretação de Dados sobre Inovação Tecnológica Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento Departamento Estatístico da Comunidade Européia Financiadora de Estudos e Projetos  Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico Em conformidade com o Artigo 1o da Convenção firmada em Paris em 14 de dezembro de 1960, que entrou em vigor em 30 de setembro de 1961, a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) promoverá políticas que busquem: — alcançar o mais alto nível de desenvolvimento econômico sustentável e de emprego e um padrão de vida progressivamente melhor nos países membros, mantendo ao mesmo tempo a estabilidade financeira e contribuindo, por......

Words: 43333 - Pages: 174

Free Essay

Motivação E Satisfação No Trabalho Em Uma Empresa de Alta Tecnologia - Estudo de Caso

...UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO - CCA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA – ESAG PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Linha de Pesquisa: Gestão Estratégica, de Processos e de Resultados. MOTIVAÇÃO E SATISFAÇÃO NO TRABALHO EM UMA EMPRESA DE ALTA TECNOLOGIA - ESTUDO DE CASO Roberto Kern Gomes Joinville – 2006 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO - CCA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA – ESAG PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Linha de Pesquisa: Gestão Estratégica, de Processos e de Resultados. MOTIVAÇÃO E SATISFAÇÃO NO TRABALHO EM UMA EMPRESA DE ALTA TECNOLOGIA - ESTUDO DE CASO Dissertação programa de apresentada Pós-Graduação ao em Administração da Universidade do Estado de Santa Catarina e Escola Superior de Administração e Gerência como requisito parcial para a obtenção do grau de Mestre em Administração. Área: Motivação e Satisfação no Trabalho. Orientador: Professor Luis Gonzaga Mattos Monteiro, Dr. Roberto Kern Gomes Joinville – 2006 1 MOTIVAÇÃO E SATISFAÇÃO NO TRABALHO EM UMA EMPRESA DE ALTA TECNOLOGIA - ESTUDO DE CASO. Esta Dissertação foi julgada adequada para a obtenção do título de Mestre em Administração e aprovada em sua forma final pelo Programa de PósGraduação em Administração da Universidade do Estado de Santa Catarina e Escola Superior de Administração e Gerência. Florianópolis, 1º de dezembro de......

Words: 25432 - Pages: 102

Free Essay

Gestão de Recursos Humanos

...Gestão de Recursos Humanos - apontamentos teóricos - Recursos Humanos (Teóricas) A função de recursos humanos A função de recursos humanos é o conjunto de tarefas e responsabilidades em gerir pessoas. Os recursos humanos são um recurso, no entanto este recurso apresenta algumas diferenças relativamente aos outros recursos, que o tornam mais importante. Características dos recursos humanos: * Os recursos humanos gerem todos os outros recursos. Ou seja são sempre pessoas que analisam e organizam os recursos, controlam os seus resultados e avaliam o seu desempenho. Ora se as pessoas que trabalham na empresa não forem boas, a empresa não terá um bom desempenho, mesmo com ótimos recursos (não humanos). * São os Recursos humanos que decidem qual a tecnologia ou sistema a adotar. Se esta decisão for má tomada, a culpa das máquinas serem inadequadas não é da máquina mas sim de quem estudou e analisou as necessidades da empresa e acabou por escolher essa tecnologia. * Há diferentes tipos de decisões de Recursos Humanos: * Gestores de topo – É importante que o gestor de topo seja muito competente, pois as suas decisões comprometem todas a empresa. Quem decide deve ser: * Competente * Ter visão * Ser capaz de correr riscos * Basear-se em informação correta e realista * Gestor intermédio – Também aqui os resultados da empresa dependem da sua competência. O Gestor intermédio deverá ser: * Líder ...

Words: 15723 - Pages: 63

Free Essay

Ir Na Venda de Imóveis

...IRPF Orientações Gerais 2014 Imposto de Renda 2014 índice 1 Obrigatoriedade de entrega 2 Formas de entrega 3 Multa por atraso na entrega 4 Utilizando seu Informe de Rendimentos Financeiros BRADESCO 5 Bens e Direitos 6 Dividendos, Juros sobre o Capital Próprio e atualização monetária 7 Planos de Previdência Privada Bradesco 8 Deduções 9 Dívidas e Ônus Reais 10 Imposto a pagar 11 Antecipe sua Restituição de IR 5 6 8 9 9 12 13 18 21 21 23 GUIA IRPF 2014 esta cartilha contém informações meramente sugestivas e visa fornecer aos clientes Prime orientações gerais para auxiliar no preenchimento da declaração de Ajuste Anual do imposto sobre a Renda da Pessoa Física do exercício de 2014, ano-calendário 2013. não deixe de consultar a legislação tributária, o Manual do declarante editado pela Receita Federal do Brasil (RFB), bem como os seus consultores contábeis, jurídicos e fiscais. importante: A responsabilidade pelas informações constantes das declarações de Ajuste Anual é exclusiva dos contribuintes. em caso de divergência de informações contidas nesta cartilha prevalecem as regras estabelecidas pela Receita Federal do Brasil. 1. OBRIGATORIEDADE DE ENTREGA Está obrigada a entregar a Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda (“Declaração”), referente ao exercício de 2014, a pessoa física residente no Brasil, que no ano-calendário 2013: a) Recebeu rendimentos tributáveis, sujeitos ao ajuste anual na Declaração, cuja soma foi superior......

Words: 5371 - Pages: 22

Free Essay

Métodos de Pesquisa

... © dos Autores 1a edição: 2009 Direitos reservados desta edição: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Capa e projeto gráfico: Carla M. Luzzatto Revisão: Ignacio Antonio Neis, Sabrina Pereira de Abreu e Rosany Schwarz Rodrigues Editoração eletrônica: Luciane Delani Universidade Aberta do Brasil – UAB/UFRGS Coordenador: Luis Alberto Segovia Gonzalez Curso de Graduação Tecnológica Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural Coordenação Acadêmica: Lovois de Andrade Miguel Coordenação Operacional: Eliane Sanguiné M939 Métodos de pesquisa / [organizado por] Tatiana Engel Gerhardt e Denise Tolfo Silveira ; coordenado pela Universidade Aberta do Brasil – UAB/UFRGS e pelo Curso de Graduação Tecnológica – Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural da SEAD/UFRGS. – Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. 120 p. : il. ; 17,5x25cm (Série Educação a Distância) Inclui figuras, quadros e anexos. Inclui referências. 1.Metodologia da pesquisa científica. 2. Métodos de pesquisa. 3. Pesquisa científica – Elaboração. 4. Projeto de pesquisa – Estruturação. 5. Tecnologia da informação e comunicação – Pesquisa. 6. Ética – Plágio. I. Gerhardt, Tatiana Engel. II. Silveira, Denise Tolfo. III. Universidade Aberta do Brasil. IV. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Secretaria de Educação a Distância. Graduação Tecnológica – Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural. CDU 001.891 CIP-Brasil. Dados Internacionais de Catalogação na Publicação. (Jaqueline Trombin...

Words: 35589 - Pages: 143

Free Essay

A Identidade Do Profissional de Secretariado Executivo No Ambiente Academico

...IDENTIDADE DO PROFISSIONAL DE SECRETARIADO EXECUTIVO NO AMBIENTE ACADÊMICO - PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS X INSTITUIÇÕES DE ENSINO The professional identity of the executive secretariat in academic environment Perception of academics X educational institutions. Laskawski, Karina Alves de Souza¹ Ferro, Jeferson² RESUMO Para conseguir atender à demanda do mercado de trabalho, que exige profissionais com inúmeras qualidades e competências, é preciso que as pessoas interessadas pela profissão de Secretariado Executivo busquem certas qualificações. Por possuir habilidades que lhes permitem trabalhar em diversas áreas, esses profissionais vêm sendo procurados com freqüência no mercado, pois ajudam o executivo a alcançar metas e objetivos dentro da empresa, desempenhando o papel de assessores. Por esse motivo são considerados uma extensão do seu executivo, estando aptos a promover e aperfeiçoar a gestão e o desenvolvimento das organizações. A profissão cresceu, ganhou força e trouxe reconhecimento para esses profissionais, tanto fora como dentro das empresas, formando assim um novo perfil secretarial. O presente trabalho pretende comparar os discursos de definição deste perfil, como ele é descrito pelas instituições de ensino, e a percepção que os acadêmicos do curso têm. Procura-se saber se há diferenças significativas entre o que as instituições entendem por um profissional de......

Words: 4024 - Pages: 17

Free Essay

Avaliação de Desempenho

... INTRODUÇÃO À GESTÃO “AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO” Luís Filipe Nobre Gouveia Estudante nº 090275030 Docente: Cláudia Viana Setúbal, Abril de 2010 Avaliação de Desempenho Um sistema de avaliação que não promove o mérito elege a mediocricidade como excelência! Joaquim Azevedo -2- Avaliação de Desempenho ÍNDICE 0. INTRODUÇÃO ............................................................................................................. 4 1. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. ............................................................................ 6 1.1 O QUE É A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ....................................................... 6 1.2. QUAIS AS DIMENSÕES DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ........................ 7 1.3. PRESSUPOSTOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO .....................................7 1.3.1. Definição de competências ...................................................................................... 7 1.3.2. Análise das variáveis ............................................................................................... 8 1.3.3.Comprometimento ....................................................................................................8 2. COMPONENTES DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ........................................ 9 3. METODOS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ................................................ 13 3.1 MÉTODOS TRADICIONAIS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ................. 13 3.1.1. Desvantagens dos Métodos Tradicionais......

Words: 7848 - Pages: 32

Free Essay

CaracteríSticas Gerais Do Sistema Nacional de InovaçãO

...UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO SÓCIO ECONOMICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SISTEMA NACIONAL DE INOVAÇÃO BRASILEIRO: UMA COMPARAÇÃO COM RÚSSIA, ÍNDIA e CHINA (BRIC’s) Amanda Rosa de Paiva Florianópolis 2008 ii AMANDA ROSA DE PAIVA CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SISTEMA NACIONAL DE INOVAÇÃO BRASILEIRO: UMA COMPARAÇÃO COM RÚSSIA, ÍNDIA e CHINA (BRIC’s) Monografia submetida ao curso de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Santa Catarina, como requisito obrigatório para a obtenção do grau de Bacharelado. Orientador: Prof. Renato Ramos Campos, Dr. FLORIANÓPOLIS, 2008 iii UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIENCIAS ECONOMICAS CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SISTEMA NACIONAL DE INOVAÇÃO BRASILEIRO: UMA COMPARAÇÃO COM RÚSSIA, ÍNDIA e CHINA (BRIC’s) Monografia submetida ao Departamento de Ciências Econômicas para a obtenção de carga horária na disciplina CNM5420 – Monografia. Por: Amanda Rosa de Paiva Orientador: Prof. Renato Ramos Campos, Dr. Área de Pesquisa: Economia da Inovação Palavras Chaves: 1. Sistema Nacional de Inovação 2. Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação 3. BRIC Florianópolis, junho de 2008 iv UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONOMICAS A banca examinadora resolveu atribuir a nota............ à aluna Amanda Rosa de Paiva (Matrícula 0320602-5) na disciplina CNM5420 –......

Words: 21373 - Pages: 86

Free Essay

Importância Do Setor de Construção Civil Na Economia Brasileira

...INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO IMPORTÂNCIA DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL NA ECONOMIA BRASILEIRA I - HISTÓRICO DA CBIC A partir do ciclo de crescimento e desenvolvimento econômico do país, iniciado na década de 50, a construção civil ganhou importância e começou a se destacar como atividade industrial, conduzindo o setor à inevitável busca pela sua organização em torno de uma entidade nacional que o representasse, defendesse seus interesses e proporcionasse a sua participação ativa no desenvolvimento do Brasil. Foi, então, que surgiu a Câmara Brasileira da Indústria da Construção - CBIC, fundada no Rio de Janeiro em 20 de janeiro de 1957, por decisão dos Sindicatos da Indústria da Construção Civil do Rio de Janeiro, Recife, Belo Horizonte, Rio Grande do Sul, Joinville, Espírito Santo, Salvador, Paraná e São Paulo. Nesses 42 anos de existência, a CBIC se fortaleceu como entidade representativa de todas as atividades da Engenharia Nacional e, cada vez mais, aperfeiçoa o seu papel de ajudar a construir e projetar os objetivos e anseios do setor para a sociedade, participando de todos os eventos de relevância no cenário nacional e internacional. Atualmente, a Câmara conta com 110 entidades associadas, divididas em duas categorias de filiação: são 62 sócios fundadores, sendo 41 sindicatos e 21 associações, que, por sua vez, representam um universo de 9.222 outras entidades (entre empresas privadas e sindicatos); além das 48 empresas filiadas, que são denominadas de sócios......

Words: 1487 - Pages: 6

Free Essay

Relatorio de Actividades de Auditoria

...Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Alagoas Reitoria Auditoria Interna RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA/2013 TIPO DE AUDITORIA: Acompanhamento ENTIDADE: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Alagoas - IFAL ASSUNTO: Relatório anual das atividades desenvolvidas pela Auditoria Interna, no IFAL, concernentes ao exercício de 2013. UNIDADE GESTORA: 158147 GESTÃO: 26402 Maceió/AL Janeiro/2014 Página 1 de 101 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO …................................................................................................................................3 2 ESCOPO DO TRABALHO...................................................................................................................3 3 AUDITORIA INTERNA........................................................................................................................4 3.1 Composição da Auditoria Interna.........................................................................................4 4 DESCRIÇÕES DAS AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA.................................................................5 4.1 Descrição das ações de Auditoria Interna realizadas pela entidade......................................5 4.2 Relação das fragilidade encontradas...................................................................................11 4.3 Descrição das ações de assessoramento da Auditoria Interna aos gestores do......

Words: 26169 - Pages: 105

Free Essay

Risco de Sismo Em Lisboa

...Risco de Sismo em Lisboa Antº Silva Santos, 5 Jun.2011 Na última aula de Gestão de Projectos falou-se da probabilidade da ocorrência de um sismo em Lisboa com as mesmas consequências do sismo de 1755. Ao longo da minha vida profissional tenho constatado que, apesar da noção de probabilidade ser bastante intuitiva, o discurso que a envolve é frequentemente pouco racional e por vezes disparatado. Costumo até fazer um teste com os amigos quando os quero sensibilizar para o tema. Pergunto-lhes: quando lanço 100 vezes uma moeda ao ar, a probabilidade de sair 50 caras e 50 coroas é alta ou baixa? Há quem diga “muito alta”, “alta” e 50%. São raros os que dizem “baixa”. E de facto é baixa: somente 8%, de acordo com a Lei Binomial. VLO ou “muito baixa” pela noção que nos foi transmitida na aula. Voltando à questão do risco de sismo em Lisboa gostava de chamar a vossa atenção para a importância da dimensão temporal quando se fazem prognósticos. Não faz sentido falarmos nesse risco, sem definirmos o período de tempo que estamos considerar no cálculo desse risco. Uma coisa será o risco que Lisboa corre no século XXI e outra o risco que corre no próximo ano ou amanhã. A determinação do risco sísmico é dada pela probabilidade e o nível de danos ao longo de um período de referência e no interior de uma dada região e pode ser definido pela seguinte relação: Risco = Perigosidade x Vulnerabilidade x Custos em que a Perigosidade Sísmica é uma descrição estatística......

Words: 582 - Pages: 3

Free Essay

Levantamento de Oportunidades Da AlicaçãO Das Ferramentas Lean Em Agricultura de PrecisãO: Propostas Dentro Do Setor Sucroalcooleiro

...0 FUNDAÇÃO DE ENSINO “EURÍPIDES SOARES DA ROCHA” CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA – UNIVEM CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MARCELO RIYUDI SHIRAISHI LEVANTAMENTO DE OPORTUNIDADES DA ALICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN EM AGRICULTURA DE PRECISÃO: PROPOSTAS DENTRO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO MARÍLIA 2013 FUNDAÇÃO DE ENSINO “EURÍPIDES SOARES DA ROCHA” CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA – UNIVEM CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MARCELO RIYUDI SHIRAISHI LEVANTAMENTO DE OPORTUNIDADES DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN EM AGRICULTURA DE PRECISÃO: PROPOSTAS DENTRO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO Trabalho de Curso apresentado ao Curso de Engenharia de Produção da Fundação de Ensino “Eurípides Soares da Rocha”, mantenedora do Centro Universitário Eurípides de Marília – UNIVEM, como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Engenharia de Produção. Orientador: Prof. Dr. ROGRIGO FABIANO RAVAZI MARÍLIA 2013 SHIRAISHI, MARCELO RIYUDI LEVANTAMENTO DE OPORTUNIDADES DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN EM AGRICULTURA DE PRECISÃO: PROPOSTAS DENTRO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO / MARCELO RIYUDI SHIRAISHI; orientador: RODRIGO FABIANO RAVAZI. Marília, SP: [658.515], 2013. 94 f. Trabalho de Curso (Graduação em Engenharia de Produção) Curso de Engenharia de Produção, Fundação de Ensino “Eurípides Soares da Rocha”, mantenedora do Centro Universitário Eurípides de Marília –UNIVEM, Marília, 2013. 1. Cidadania 2. Moralidade......

Words: 27801 - Pages: 112