Free Essay

Resolução Jurídica Sob Condição Suspensiva

In: Social Issues

Submitted By danaragao
Words 1828
Pages 8
Sobre a implementação de condição resolutiva e da retroatividade da condição
A questão está presente no art. 128: “Sobrevindo a condição resolutiva, extingue-se, para todos os efeitos, o direito a que ela se opõe; mas, se aposta a um negócio de execução continuada ou periódica, a sua realização, salvo disposição em contrário, não tem eficácia quanto aos atos já praticados, desde que compatíveis com a natureza da condição pendente e conforme aos ditames de boa-fé.”
Maria Helena Diniz, na obra Código Civil Comentado, simplifica o pensamento jurídico: “Doutrina – Implemento de condição resolutiva: Se uma condição resolutiva for aposta em um ato negocial, enquanto ela não se der, vigorará o negócio jurídico, mas ocorrida a condição, operar-se-á a extinção do direito a que ela se opõe. Mas, se tal negócio for de execução continuada, a efetivação da condição, exceto se houver disposição em contrário, não atingirá os atos já praticados, desde que conformes com a natureza da condição pendente e aos ditames da boa-fé. Acatado está princípio da irretroatividade da condição resolutiva.
Elaborado o tema, desenvolvo: Primeiramente, é constatado que o implemento da condição é a ocorrência do evento, ou a certeza de que não ocorrerá. Se a condição é potestativa, derivada de fato de terceiro, o evento só ocorreria durante a vida da pessoa indicada. Por outro lado, se potestativa negativa, (ex. “se tu não pagares”) só se verificará com a morte de tal pessoa. Enquanto quem desenvolveu o evento estiver vivo, pode ocorrer o fato positivo proibido. Se não houver prazo para o implemento, só quando for certo que não mais se poderá verificar, como bem se aprende em direito romano (Ex.: Caio cede uma vaca a Tício, sendo que Tício deve entregar a Caio os frutos decorrentes do animal sempre que existirem. Se a vaca morre não poderá mais Tício entregar ao pobre Caio o leite da mimosa.) Caso negativa, a condição é realizada desde que o evento não ocorra no tempo devido, ou, antes disso, havendo certeza de que não se verificará.
Em segundo lugar, da natureza do evento, da vontade das partes ou da lei decorre o tempo durante ou depois do qual devem realizar-se as condições, como diz o Art. 509 do Código Civil.
Desenvolvidos os precedentes, tornemos à questão. Francisco Amaral, em sua obra Direito Civil – Introdução, escreve: “Na condição resolutiva, sem prazo determinado, ela opera por interpelação judicial. O direito brasileiro não aceita a subordinação permanente de alguém à vontade de outrem, para a verificação de evento condicional resolutivo.” Logo, se as condições forem potestativas ou, sendo casuais, consistirem na ação de terceiro, poderão ser cumpridas por outra pessoa sempre que tal ação for imposta como fato que deve existir e não como fato exequível por pessoa determinada.
Não se verificando a condição de algum modo, esta diz-se falha. Completa assim Francisco Amaral: “Se a condição for suspensiva, o ato não produzirá efeitos, não mais subsistindo os até então verificados. Cessa a expectativa de direito. O credor devolve o que recebeu, com acessórios. O devedor restitui o preço recebido, com juros, legais ou convencionais.”
Amaral ainda descreve a hipótese de condições maliciosamente levadas a efeito conforme o art. 129 CC: “A lei estabelece, desse modo, a ficção do implemento da condição para o caso de o devedor do direito expectativo descumprir o dever de agir com boa-fé, frustrando o implemento da condição ou provocando-o maliciosamente. Tal ficção não se aplica nos casos de condição legal.”
Venosa destrincha a questão ainda mais. Explicando primeiramente que resolutiva é a condição cujo implemento faz cessar os efeitos do negócio jurídico e bipartindo a noção nos artigos 127 e 128 do código. Diante disso, a noção de condição suspensiva é apresentada como a que “seu implemento faz com que o negócio, que estava em suspenso, tenha vida, enquanto na condição resolutiva seu implemento faz com que o negócio cesse sua eficácia; resolve o negócio jurídico.”
Após isso, desenvolve ainda mais a condição suspensiva, sendo examinada em três estágios possíveis: O estado de pendência, o estado de implemento da condição e o estado de frustração. A pendência é a situação que ainda não se verificou o evento futuro e incerto; o implemento da condição é quando o evento efetivamente ocorre e a frustração está na impossibilidade de ocorrência do evento. Pendente a condição, a eficácia do ato é suspensa. Exemplo feliz o descrito pelo autor: “Se se trata de crédito, enquanto não ocorrer o implemento da condição, é ele inexigível, não há curso de prescrição e, se houver pagamento por erro, há direito à repetição.” Descreve ainda ele as questões processuais cautelares para fazer o direito sob condição suspensiva valer no futuro, mas não tratarei destes aqui.
Venosa então começa a descrever o efeito retroativo das condições: “Quando ocorre o implemento da condição, o direito passa de eventual adquirido, obtendo eficácia o ato ou negócio, como se desde o princípio fosse puro e simples e não eventual.” O estado de pendência de uma condição cessa por seu implemento. Verificado o implemento, Venosa descreve que “Muitos entendem que tudo se passa como se o ato fosse puro e simples, como se o tempo medeado entre a manifestação de vontade e o implemento da condição não existisse. É o que se denomina efeito retroativo da condição. Os que o admitem entendem o negócio jurídico como se tratasse desde o início de manifestação de vontade não condicionada. Outros entendem que a condição não tem esse efeito retro-operante. A controvérsia vem desde o Direito Romano.” Venosa ainda descreve que o Código Civil atual, na mesma senda do estatuto revogado, não possui dispositivo específico acerca da retroatividade. Logo, não ocorre retroação. A exceção está descrita na conclusão de Caio Mário da Silva Pereira (2006, v.1:562), que traz o efeito retroativo como operante mediante convenção entre as partes. Neste caso, o ato terá efeito de negócio puro e simples. As consequências e os efeitos ocorridos medio tempore serão destruídos pela ocorrência da condição, como na propriedade resolúvel, e não têm efeito retro-operante àqueles atos a que a lei dá validade medio tempore. Parafraseando Venosa, Como acrescenta o mestre, “a doutrina legal brasileira encontra-se, portanto, na linha das teorias mais modernas que contestam esse efeito retro-operante como regra geral, admitindo que ele se entenda como uma forma de construção jurídica, que explica e torna mais claros os efeitos do direito condicional, fixando de que mandeira atua o evento na aquisição ou na resolução do direito, na maioria dos casos.” (Instituições de Direito Civil v.1, Caio Mário da Silva.) Conclusão semelhante descreve Sílvio Rodrigues (2006, v.1:254,255): “A retroatividade dos efeitos do ato jurídico constitui, a meu ver, exceção à regra geral da não-retroatividade, de sorte que, para retroagirem os efeitos de qualquer disposição contratual, mister se faz que haja lei expressa em tal sentido, ou convenção entre as partes. Caso contrário, isto é, se nada se estipulou e a lei é silente, os efeitos da condição só operam a partir do seu advento.”
Mesmo os que admitem retroatividade das condições concluem que nesse caso, os efeitos visados “são quase os mesmos e resolvidos do mesmo modo” conforme aduz Serpa Lopes, após análise das duas posições (1962, v.1:499). A discussão entre as teorias da retroatividade, porém, é meramente acadêmica, devendo se examinar o estado de direito durante a real condição. Em outras palavras, é difícil fixar regra geral funcional. A espécie da condição deve ser examinada caso por caso. Pendente a condição é que se deve examinar se o titular do direito condicional deve ser protegido, e até que ponto. Venosa adiciona: “Não se esqueça de que o titular do direito eventual, nos casos de condição suspensiva ou resolutiva, pode praticar os atos destinados a conservá-lo (art. 130 do atual código)”.
Completa ainda com a resposta final à questão proposta no início deste papel: “A esse respeito, veja que o presente Código reporta-se ao problema na segunda parte do art. 128 referido. No tocante aos negócios de execução periódica ou continuada, operada a condição, somente haverá retroatividade nos efeitos, nos atos já praticados, se houver disposição nesse sentido. O mais recente legislador assume, portanto, como regra geral, a irretroatividade da condição: sem vontade expressa das partes e sem lei que a estabeleça, não haverá retroação. Essa é, em síntese, a opinião da doutrina colacionada aqui.”
Por fim, Caio Mario será usado a por fim à discussão apresentada inicialmente: “A retroatividade da resolutiva é mais franca e mais frequente do que a suspensiva: os direitos reais constituídos sobre a coisa desaparecem porque o domínio era limitado pela cláusula adjeta, e não seria ao titular possível direitos mais latos do que os próprios. Vindo, pois, a realização da conditio resolutiva, apagam-se, pela sua mesma força, os efeitos já produzidos e a propriedade transferida reverte ao alienante, com revogação das disposições feitas em favor de terceiros. Para operara este efeito, com tal extensão a terceiros, deve a condição resolutiva constar de Registro Público, pois do contrário é res inter alios, que aos terceiros neque nocet neque prodest, mas os atos de administração, a percepção dos frutos, etc. não são atingidos. Ressalvam-se, ainda, os negócios de execução continuada ou periódica, que vão gerando as suas consequências paulatinamente, e não podem desfazer-se sem grave risco para a segurança do mundo jurídico. Uma das inovações do Código de 2002 foi, justamente, a consignação expressa, no art. 128, dessas exceções. Um contrato de aluguel, por exemplo, subordinado à condição resolutiva, assegura ao locador o direito aos rendimentos percebidos medio tempore. Desfeito pelo implemento da condição, resolve-se o contrato, mas o locador não tem de restituir o que recebeu. Se o fizesse, proporcionaria ao locatário a um enriquecimento sem causa, consistente em ter usufruído a utilização da coisa, sem contraprestação.”
De todos estes ensinamentos, conclui-se que não serão respeitados os atos já praticados, em duas hipóteses. A primeira é o obstáculo legal: havendo disposição que determine a reposição ao statu quo ante, não obstante a execução continuada ou periódica, há que respeitar-se. A segunda, na decorrência das circunstâncias de cada caso, é a compatibilidade entre os efeitos produzidos e o implemento da condição. Caio Mário escreve: “Se houver incompatibilidade entre a condição pendente e os atos praticados pelo titular do direito condicional, a realização da condição não tolera sejam mantidos. Ressalva-se, ainda, a boa-fé, que deve estar presente em todo negócio jurídico e, como princípio geral que é (art. 422), não pode ser sacrificada. O mesmo prevê expressamente o mencionado art. 128.”

Bibliografia:
AMARAL, Francisco, Direito Civil – Introdução. pp (475 – 481). 6ª Edição, Editora Renovar
VENOSA, Sílvio de Salvo, Direito Civil v. 1. pp 480-488. 11ª Edição, Editora Atlas
PEREIRA, Caio Mário da Silva, Instituições de Direito Civil v.1 pp 564-570. 20º Edição, Editora Forense
RODRIGUES, Silvio, Direito Civil V.1. pp 254-255, 34ª Edição, Editora Saraiva…...

Similar Documents

Free Essay

Ambiente Virtual de Aprendizagem Aplicado Ao Ensino de Disciplinas Da Engenharia

...International Correspondence Institute, e como estes, outros acontecimentos reafirmam a EaD como uma prática já difundida, conforme citado em Lobo Neto (1998). Todas essas situações se configuram como tentativas de ensinar conteúdos desvinculados da presença física de professor e estudante. A escrita, em convergência com a técnica de impressão dada por Gutenberg, é apontada como uma tecnologia capaz de ampliar temporalmente a presença do autor. Configura-se assim condição ideal para que a escrita e a informática sejam reconhecidas como tecnologias da inteligência (Pierre Lévy, 1993). Durante a segunda metade da década de 90, o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) passou a representar uma ferramenta capaz de viabilizar o EaD. Este ambiente pode ser entendido como um conjunto de recursos digitais de comunicação e computação, utilizados para mediar a aprendizagem (Filatro, 2003). Em agosto de 2008, inaugura-se a Faculdade UnB Gama (FGA) - Universidade de Brasília com vocação exclusiva para formação de engenheiros, que, segundo a Resolução CNE/CES 11/2002 do Brasil devem cursar obrigatoriamente disciplinas fundamentais do núcleo de conteúdos básicos. Em 2009, um grupo de professores e estudantes começa a se dedicar ao desenvolvimento de um ambiente virtual de aprendizagem aplicado ao ensino de álgebra linear (Shzu, Silva & al, 2009). 1 Em 2010, o grupo passa a se chamar i-GPDAM - Grupo de Pesquisa e Desenvolvimento de Ambientes Interativos e sofre mudanças. Dentre elas......

Words: 3166 - Pages: 13

Free Essay

Raysa

...Cooperativismo – associativismo ou integracionismo? Edelvino Razzolini Filho Cícero Fernandes Marques Humberto Stadler Resumo Este trabalho aborda a questão do cooperativismo sob a ótica da logística, mais especificamente sob a perspectiva do Supply Chain Management – SCM, em que se procura demonstrar que não existe, nas cooperativas paranaenses, condições ideais para a implantação da filosofia de gestão propugnada pelo SCM, uma vez que as cadeias de suprimentos das cooperativas vive uma dicotomia: associativismo em parte da cadeia e necessidade de integracionismo em outra parte dessa cadeia. A dificuldade em fazer com que as cadeias de suprimentos das cooperativas sejam integradas leva a uma perda de competitividade que compromete a eficácia dessas cadeias, trazendo prejuízo a todos os envolvidos e, consequentemente, à sociedade como um todo. Palavras chave: Logística, Cadeia de Valor, Cooperativismo, Integracionismo, Competitividade. 1. Introdução Muito se tem escrito sobre o tema cooperativismo, ao longo do tempo. Porém, não se analisa a questão das cooperativas sob a ótica do seu funcionamento enquanto parte de uma cadeia produtiva mais ampla; muito menos se percebe a gestão dessa cadeia sob a abordagem da administração das cadeias de suprimentos – SCM – supply chain management – o que tem levado muitas cooperativas a um estado de quase falência ou, ainda, de competição em desvantagem no mercado. Assim, o que se pretende é analisar essa......

Words: 6800 - Pages: 28

Free Essay

Voce Precisa Aprender Mais

... . . . . . . . . . . . . . 46 Ato das Disposições Constitucionais Transitórias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 CONSTITUIÇÃO da República Federativa do Brasil PREÂMBULO Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. Título I - Dos Princípios Fundamentais Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado democrático de direito e tem como fundamentos: I - a soberania; II - a cidadania; III - a dignidade da pessoa humana; IV - os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa; V - o pluralismo político. Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição. Art. 2º São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário. Art. 3º Constituem......

Words: 68070 - Pages: 273

Free Essay

Norberto Bobbio

...internacional II futuro è già cominciato [O futuro já começou], realizado em Locarno em maio de 1984 por iniciativa do professor Francesco Barone. Ele apresenta sinteticamente as transformações da democracia sob a forma de "promessas não cumpridas" ou de contraste entre a democracia ideal tal como concebida por seus pais fundadores e a democracia real em que, com maior ou menor participação, devemos viver cotidianamente. Após o debate de Locarno creio ser útil precisar melhor que, daquelas promessas não cumpridas — a sobrevivência do poder invisível, a permanência das oligarquias, a supressão dos corpos intermediários, a revanche da representação dos interesses, a participação interrompida, o cidadão não educado (ou mal-educado) —, algumas não podiam ser objetivamente cumpridas e eram desde o início ilusões; outras eram, mais que promessas, esperanças mal respondidas, e outras por fim acabaram por se chocar com obstáculos imprevistos. Todas são situações a partir das quais não se pode falar precisamente de "degeneração" da democracia, mas sim de adaptação natural dos princípios abstratos à realidade ou de inevitável contaminação da teoria quando forçada a submeter-se às exigências da prática. Todas, menos uma: a sobrevivência (e a robusta consistência) de um poder invisível ao lado ou sob (ou mesmo sobre) o poder visível, como acontece por exemplo na Itália. Pode-se definir a democracia das maneiras as mais diversas, mas não existe definição que possa deixar de incluir em......

Words: 61858 - Pages: 248

Free Essay

Edital

...DE FAZENDA DE PRIMEIRO NÍVEL DE INGRESSO NA CARREIRA, DE NÍVEL SUPERIOR, DO QUADRO PERMANENTE DA SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA DO RIO DE JANEIRO. O Secretário de Estado de Fazenda, no uso das atribuições conferidas pela Legislação em vigor, considerando o processo E-04/007.418/2012 torna pública a realização de Concurso Público para provimento do cargo efetivo de Oficial de Fazenda de primeiro nível de ingresso na carreira, de nível superior, do Quadro Permanente da Secretaria de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro, em conformidade com as disposições regulamentares contidas no presente Edital, seus Anexos e eventuais retificações. 1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1. O Concurso Público será regido por este Edital e executado sob a responsabilidade da Fundação Centro Estadual de Estatísticas, Pesquisas e Formação de Servidores Públicos do Rio de Janeiro – CEPERJ, segundo o cronograma previsto, apresentado no Anexo I. 1.2. As datas constantes do Cronograma constituem uma previsão, estando sujeitas a eventuais alterações. 1.3. O Concurso Público será realizado com vistas ao preenchimento de 200 (duzentas) vagas no cargo de Oficial de Fazenda de primeiro nível de ingresso na carreira, para atuação no âmbito da Secretaria de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro. 1.3.1. Os candidatos aprovados e excedentes ao número de vagas descrito no item anterior serão alocados em uma listagem única, que constituirá o banco de reserva de concursados aprovados. 1.4. As......

Words: 12736 - Pages: 51

Free Essay

Ir Na Venda de Imóveis

...informações contidas nesta cartilha prevalecem as regras estabelecidas pela Receita Federal do Brasil. 1. OBRIGATORIEDADE DE ENTREGA Está obrigada a entregar a Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda (“Declaração”), referente ao exercício de 2014, a pessoa física residente no Brasil, que no ano-calendário 2013: a) Recebeu rendimentos tributáveis, sujeitos ao ajuste anual na Declaração, cuja soma foi superior a R$ 25.661,70; b) Recebeu rendimentos isentos, não-tributáveis ou tributáveis exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40.000,00; c) Deteve a posse ou propriedade de bens ou direitos, em 31.12.2013, inclusive terra nua, cujo valor total foi superior a R$ 300.000,00; d) Passou à condição de residente no Brasil em qualquer mês e nesta condição se encontrava em 31.12.2013; e) Realizou em qualquer mês do ano-calendário: • alienação de bens ou direitos em que tenha sido apurado ganho de capital, sujeito à incidência do respectivo imposto; e/ou • operações em bolsa de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas. f) Atividade rural: • Obteve receita bruta superior a R$ 128.308,50; ou • Pretenda compensar, no ano-calendário de 2013 ou posteriores, prejuízos de anos-calendário anteriores ou do próprio ano-calendário de 2013 (com apresentação da Declaração no modelo completo nesta hipótese); e g) Optou pela isenção do imposto de renda incidente sobre o ganho de capital auferido na venda de imóveis residenciais, cujo produto da venda foi......

Words: 5371 - Pages: 22

Free Essay

De Maquiavel a Rousseau

...o fazem príncipe, para, à sombra dele, terem ensejo de dar largas aos seus apetites; o povo, por sua vez, vendo que não pode fazer frente aos grandes, procede pela mesma forma em relação a um deles para que esse o proteja com a sua autoridade. Quem chega à condição de príncipe com o auxilio dos grandes conserva-a com maiores dificuldades do que quem chega com o auxílio do vulgo, porque está rodeado de muitos que se julgam da sua iguala, e aos quais, por isso, não podem manejar a seu talante. Aquele, porém, que sobe ao poder com o favor popular não encontra em torno de si ninguém ou quase ninguém que não esteja disposto a obedecer-lhe. Demais, não se pode honestamente satisfazer os poderosos sem lesar os outros, mas pode-se fazer isso em relação aos pequenos; porque o intento dos pequenos é mais honesto que o dos grandes; enquanto estes desejam oprimir, aqueles não querem ser oprimidos. De uma plebe adversa, o máximo que um príncipe pode esperar é ser por ela abandonado. Dos magnatas, porém, deve recear não só o abandono, como também a revolta. É que eles, sendo mais perspicazes, ao pressentirem a tempestade, têm sempre tempo de se salvarem, lisonjeando aquele que julgam vir a triunfar. Temos de considerar os poderosos sob dois aspectos: ou procedem de forma que por suas ações ficam completamente ligados ao destino do príncipe, ou não. Os primeiros devemos honrar e amar. Quanto aos segundos, cumpre-nos distinguir: há os que assim procedem por pusilanimidade e defeito......

Words: 13382 - Pages: 54

Free Essay

Responsabilidade Civil Do Estado

...perdida”; atividade risco; segurança pública. SUMÁRIO INTRODUÇÃO 6 1. SEGURANÇA PÚBLICA 10 1.1. CONCEITO 10 1.2. ATIVIDADE POLICIAL 14 1.3. BALA PERDIDA 15 2. RESPONSABILIDADE CIVIL 33 2.1. O DANO E A RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO 33 2.2. EVOLUÇÃO DAS TEORIAS E DO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO 38 2.3. RESPONSABILIDADE DO ESTADO PELA MÁ ATUAÇÃO OU OMISSÃO DE SEUS AGENTES 49 2.4. EXCLUDENTES DE RESPONSABILIDADE CIVIL 55 2.4.1. ESTADO DE NECESSIDADE 59 2.4.2. LEGITIMA DEFESA 61 2.4.3. ESTRITO CUMPRIMENTO DO DEVER LEGAL 63 2.4.4. EXERCÍCIO REGULAR E O ABUSO DE DIREITO 64 3. EVOLUÇÃO JURISPRUDENCIAL 67 CONCLUSÃO 76 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 79 INTRODUÇÃO O Estado, como ente complexo que se apresenta, assentado na condição de pessoa jurídica de direito público, desenvolve atividade funcional por intermédio de seus servidores, dotados de atribuições, que agem em nome e por conta dele, buscando sempre a promoção do bem comum. Dessa forma, ao realizar as funções estatais, precipuamente, devem respeitar os direitos consagrados universalmente nas legislações internas e transnacionais. Dentre os serviços prestados pelo Estado, a segurança pública, que diz respeito à manutenção da ordem pública, está intrinsecamente ligada ao conceito de integração dos entes federados – União, Estados e Municípios – para que, em ação conjunta, assegurem o bem estar geral, sem ferir os direitos fundamentais, individuais e coletivos, atividades econômicas e sociais, bem como o......

Words: 29079 - Pages: 117

Free Essay

Cisg 1980

...diferentes formas de exploração”. O Direito do Trabalho veio compensar o trabalhador com uma proteção jurídica, tanto material quanto processualmente, pela sua desfavorável desigualdade econômica. Ademais, em que pese à peculiaridade do Direito do Trabalho, deve se ter bem presente que em todos os ramos do direito a proteção é sempre em benefício da parte mais fraca da relação, ou seja, na relação trabalhista o trabalhador é protegido em face do empregador, na relação do direito comum o devedor em relação ao credor do direito comum, e assim sucessivamente. O princípio do in dubio pro operario ou pro misero é utilizado no Direito do Trabalho e Processual Trabalhista quando em um caso concreto, o trabalhador alega um fato constitutivo do seu direito e a parte adversária (empregador) não produz prova de fato impeditivo, extintivo ou modificativo daquele direito alegado pelo trabalhador. Diante de tal situação, o juiz da causa irá decidir a favor do trabalhador, que devido a sua hiposuficiência econômica, goza de uma presunção relativa quanto à veracidade dos fatos que deduz em juízo. A norma trabalhista possibilita que o leigo tenha assistência judiciária gratuita ou concede a ele a capacidade postulatória, nesse sentido explica José Augusto Rodrigues Pinto: “o Direito Processual do Trabalho, em cujo ventre se confrontam indivíduos asperamente desigualados por sua condição econômica e, conseqüentemente, social, é um campo fértil para a sua aplicação”. É discutível a......

Words: 1276 - Pages: 6

Free Essay

Psicologia Aplicada à AdministraçãO

...PSICOLOGIA APLICADA À ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO O que é psicologia? Quando olhamos esta ciência sob a ótica popular, verificamos que existem diversas confusões conceituais e até a popularização de termos por ela utilizada e entendidas de forma equivocada . Apesar de muitos acreditarem que o objeto de estudo desta ciência refere-se ao estudo da mente, do subconsciente, do pensamento etc. A psicologia moderna tem na verdade como objeto de estudo o comportamento, podemos dizer que o psicólogo tem como meta explicar o pensamento através do comportamento, na tentativa de compreender de forma mais científica o indivíduo. Algumas confusões se devem, talvez, a utilização de diversas visões para explicar o mesmo comportamento, isto é, a psicologia se utiliza de algumas teorias, que tentam explicar o mesmo objeto de estudo (comportamento), visto por ângulos diferentes, assim como o fazem outras ciências, tais como a medicina. No entanto, por se tratar de um estudo extremamente complexo, o entendimento popular passa a ser mais difícil e muitas vezes equivocado, levando muitos a acreditarem ser a psicologia algo subjetivo e até irreal, ou pouco científico. 1. HISTÓRIA DA PSICOLOGIA Os primeiros passos da Psicologia A psicologia é uma ciência jovem , a pré-história da psicologia confunde-se com a história da filosofia, considerada sua irmã caçula tendo atribuído seu nome de batismo a WOLF em1832/34 e seu objeto de estudo, assim como a......

Words: 12297 - Pages: 50

Free Essay

IntegraçãO Regional

...processo, referindo-se as diferentes etapas que podem ser alcançadas com a integração, como é apresentado na definição de Bobbio, onde “Integração", lato sensu, significa a superação das divisões e rupturas e a união orgânica entre os membros de uma organização. De regra, esta organização é, atualmente, o Estado-nação; trata-se, então, de dissensões entre os vários grupos que fazem parte do Estado. Se a organização é constituída de uma federação, as fraturas decorrem do grau de heterogeneidade dos Estados-membros. A Integração pode ser vista como um processo ou como uma condição. Se for vista como uma condição, falar-se-á de organizações mais ou menos integradas. (BOBBIO, 1998, p. 632). Neste caso, o nível de integração dependera dos setores que estão sendo tratados, que pode ser, por exemplo, politico – jurídico, e uma baixa integração econômica. Mas para Bobbio (1998), “a Integração econômica e a jurídica são duas condições que favorecem a Integração política; quando, porém, o poder político é o motor da Integração...”. Ainda assim devemos considerar a contribuição de Bela Balassa que define, “integração significa a junção de varias partes num todo. Na literatura econômica a expressão “integração econômica” não tem um significado tão claro. Alguns autores incluem a integração social neste conceito, outros consideram varias formas de cooperação internacional e tem sido mesmo utilizado o argumento de que a mera existência de relações comerciais entre economias nacionais......

Words: 3759 - Pages: 16

Free Essay

Byod

...Ivey W13035 INTEL CORP. – BRING YOUR OWN DEVICE R. Chandrasekhar escreveu este caso sob a supervisão dos Professores Joe Compeau e Nicole Haggerty unicamente para fornecer material para a discussão de classe. Os autores não pretendem ilustrar o tratamento eficiente ou ineficiente de uma situação gerencial. Os autores podem ter encoberto determinados nomes e outros dados que indiquem informações para proteger a confidencialidade. Richard Ivey School of Business Foundation proíbe qualquer forma de reprodução, armazenamento ou transmissão sem a sua autorização por escrito. A reprodução deste material não é coberto pela autorização por qualquer organização de direitos de reprodução. Para fazer pedido de cópias ou solicitar permissão para reproduzir materiais, entre em contato com a Ivey Publishing, Richard Ivey School of Business Foundation, The University of Western Ontario, Londres, Ontario, Canadá, N6A 3K7; tel (519) 661-3208; fax (519) 661-3882; e-mail cases@ivey.uwo.ca. Copyright © 2013, Richard Ivey School of Business Foundation Versão: 15/02/2013 Em janeiro de 2010, Malcolm Harkins, diretor executivo de segurança da informação, Intel Corp., estava enfrentando dilemas em levar para frente a iniciativa Bring Your Own Device (BYOD) (Traga Seu Próprio 1 Dispositivo) A divisão de tecnologia da informação (TI) da empresa estava dirigindo esta iniciativa por quase um ano. Agora que a alta gestão tomou a decisão estratégica em favor da implementação do BYOD...

Words: 7807 - Pages: 32

Free Essay

Psicanalise

...conta e do contado ao contar, quer dizer, ao acto de enunciação propriamente dito. As perspectivas narrativas inovam pelo modo com lidam com as construções espontâneas de significados para as diferentes experiências de existir sob a forma de narrações. Nestas nós damos um sentido ao que nos acontece através de um modo narrativo – somos construtores de histórias, sejam episódicas ou duradoiras. As perspectivas narrativas em geral têm em comum com a psicanálise: 1) a preocupação de identificar modos espontâneos do funcionamento do sujeito, não impondo uma racionalidade exclusiva ao sujeito; 2) é o significado que regula a nossa organização da acção e experiência. Por exemplo, a interpretação dos sonhos como reconstrução das experiências de vigília e as associações livres como procura de regularidades e padrões estruturais, são ambas exemplos de recolhas da matéria de vida em bruto para a reconstrução de vida do sujeito. Existencialismo Afinal, a sua concepção psicológica tem uma consciência muito forte da dimensão trágica da condição humana – para nos desenvolvermos e subirmos nos nossos níveis de auto-realização temos de sofrer e sacrificar muito. Que é o complexo de Édipo senão o abdicar do amor incondicional, fusional pela mãe a fim de se ascender à condição de sujeito psicológico. É a inevitabilidade da morte que dá sentido à vida. As pulsões têm uma tendência dominantemente conservadora. Se nada for feito, elas caminham para a entropia, autodestruição e morte. São estes......

Words: 11945 - Pages: 48

Free Essay

Game Theory

...Notas em Teoria dos Jogos e Informaçãoy Guilherme Hamdan Departamento de Economia, PUC-Minas e EPGE/FGV Emanuel Ornelas Departament of Economics, University of Georgia, USA 13 de novembro de 2006 Sumário 1 Introdução 1.1 O Que é Um Jogo? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1.2 Os Elementos Básicos de Um Jogo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 6 7 2 Jogos Estáticos de Informação Completa 11 2.1 Representação de Jogos Estáticos de Informação Completa: Forma Normal ou Estratégica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 2.2 Resolução de Jogos Estáticos de Informação Completa . . . . . . . . . . 17 2.2.1 Estratégias Estritamente Dominantes . . . . . . . . . . . . . . . 18 2.2.2 Estratégias Estritamente Dominadas . . . . . . . . . . . . . . . . 21 2.2.3 Estratégias racionalizáveis (análise de "melhores respostas") . . . 27 2.3 Equilíbrio de Nash . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 2.3.1 Estabilidade, existência e unicidade do equilíbrio de Nash . . . . 32 2.3.2 Equilíbrio de Nash e Eliminação de Estratégias . . . . . . . . . . 35 2.3.3 Equilíbrio de Nash com três jogadores . . . . . . . . . . . . . . . 38 2.3.4 Discussão do conceito de equilíbrio de Nash . . . . . . . . . . . . 39 2.4 Estratégias Mistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 2.5 Aplicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55 2.5.1 Oligopólio de Cournot . . . . . . ...

Words: 55141 - Pages: 221

Free Essay

Teste

...janeiro a 16 de março de 2012, as inscrições de Projetos Culturais postulantes dos benefícios estatuídos pela Lei Estadual de Incentivo à Cultura – SEMEAR e o respectivo decreto acima mencionado de acordo com as seguintes disposições: 1 - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES: 1.1 - É facultado ao Produtor Cultural, pessoa física ou jurídica, inscrever apenas 1 (hum) projeto artístico-cultural, com vista à obtenção do incentivo previsto na Lei n.º 6.572/03, regulamentada pelo Decreto n.º 847/04. 1.1.1 - Para este fim, denomina-se de Produtor Cultural: a) a pessoa física, domiciliada no Estado do Pará, com o objetivo e a atuação prioritariamente cultural, devidamente comprovada, diretamente responsável pela promoção e execução de projeto artístico-cultural a ser beneficiado pelo incentivo a que se refere este Edital; b) a pessoa jurídica, domiciliada no Estado do Pará, com o objetivo e a atuação prioritariamente cultural, devidamente comprovada, diretamente responsável pela promoção e execução de projeto artístico-cultural a ser beneficiado pelo incentivo, a que se refere este Edital. 1.1.2 - Para os fins deste Edital, denomina-se de Patrocinador, a pessoa jurídica inscrita no Cadastro de Contribuintes do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação – ICMS, que apoie financeiramente projetos artístico-culturais, aprovados pela Comissão Gerenciadora do SEMEAR, oferecendo como......

Words: 4336 - Pages: 18